A casa brasileira do Phoenix Suns!


Phoenix Suns x Los Angeles Lakers (Western Conference Finals)

Texto por: Pedro Henrique e Lucas Magalhães

 Nash está disposto a se machucar outra vez, para chegar à inédita Final. Ou não. 
(Foto via AZCentral)

Pela final da Conferência Oeste na temporada 2010, o Phoenix Suns, após finalmente eliminar o San Antonio Spurs, enfrenta o atual campeão Los Angeles Lakers, de Kobe Bryant. A série tem início na segunda-feira, no Staples Center, em Los Angeles. Pela primeira vez na pós-temporada de 2010 o time do Arizona não tem o mando de quadra. O Phoenix Suns Brasil organizou uma prévia da série.


CALENDÁRIO

17/05 - Suns @ Lakers - 22:00hs 
Transmissão do canal SPACE

19/05 - Suns @ Lakers - 22:00hs 
Transmissão do canal SPACE

23/05 - Lakers @ Suns - 21:30hs 
Transmissão do canal SPACE

25/05 - Lakers @ Suns - 22:00hs
Transmissão do canal SPACE

* 27/05 - Suns @ Lakers - 22:00hs
Transmissão do canal SPACE

* 29/05 - Lakers @ Suns - 21:30hs 
Transmissão do canal SPACE

* 31/05 - Suns @ Lakers - 22:00hs
Transmissão do canal SPACE

* - Se necessário

CONFRONTOS NA TEMPORADA REGULAR

L.A. Lakers 3 x 1 Phoenix Suns

PHO 102 @ 121 LAL
PHO 88 @ 108 LAL
LAL 103 @ 118 PHO
LAL 102 @ 96 PHO 

MATCHUP

Análise dos confrontos durante o jogo.

1. Time Inicial

Steve Nash x Derek Fisher

O canadense leva ampla vantagem e deve dominar o matchup. Vantagem tanto física quanto técnica. Fisher é bom marcador "on ball", mas dificilmente consegue acompanhar Nash, quando este tem a bola. Durante a semana, o vitorioso treinador Phil Jackson deu declarações sobre Steve Nash, alegando que o Bi-MVP carrega muito a bola, e por isso não conseguiu desenvolver treinamentos próximos à realidade, já que, segundo ele, nenhum jogador do seu elenco tem a capacidade de segurar tanto a posse da bola. Apesar da boa defesa contra jogadores com a bola, a idade compromete o armador do Lakers, que tem sérias dificuldades em acompanhar movimentações do ataque.

Já a fraca defesa de Nash não deve comprometer. Derek Fisher é pouco agressivo e arremessa apenas em situações de muita liberdade.

Em momentos cruciais do jogo Phil Jackson deve utilizar Kobe Bryant para marcar Nash, como sempre fez nos últimos 5 anos.


Jason Richardson x Kobe Bryant

Todos sabem o que Jason Richardson fez nos Playoffs até agora. Porém, o ala-armador do Suns deve ter mais trabalho na FInal de Conferência. Ele será marcado por, nada mais nada menos, que Kobe Bryant, um jogador que jé esteve em oito oportunidades no melhor time de defesa da liga (All-Defensive First Team). Em poucas oportunidades veremos Richardson pontuando com facilidade quando carrega a bola. Para J-Rich pontuar, o Suns necessita de uma ótima movimentação. A "dobra" em Amare Stoudemire deve garantir esse ponto.

Já na defesa do Suns, as coisas devem mudar. O experiente Grant Hill deve tomar conta de Kobe. O primeiro fator para determinar tal marcação é o fato de Hill se preservar no ataque e gastar suas energias defensivamente. Richardson será marcado por Bryant, e gastará suas energias na tábua ofensiva. A partir do meio da temporada Hill foi designado para marcar grandes pontuadores, como Dirk Nowitzki, Kevin Durant, Dwyane Wade e Manu Ginobilli, na semifinal de Conferência.


Grant Hill x Ron Artest

Hill foi peça-chave para o Suns em momentos decisivos durante os Playoffs. Uma espécie de válvula de escape quando a "pick n roll" entre Nash e Stoudemire não funcionava. Uma jogada de segurança que o Suns de 2005 e 2006 nunca teve. A produção ofensiva de Hill no fim das partidas coloca em xeque a estratégia de Phil Jackson, que colocaria, em outras circunstâncias, Artest para marcar Richardson (repetindo, apenas em finais dos jogos, o mesmo que acontece quando Kobe for deslocado para a marcação em cima de Nash).

Já o poderio ofensivo de Artest não é tão grande. Ele pouco trabalha infiltrações e tenta a maioria dos arremessos quando está livre. Jason Richardson deve marcá-lo.


Amar'e Stoudemire x Pau Gasol

Eis o grande confronto da série. O que irá definir o vencedor é o desempenho defensivo de ambos. Pau Gasol é um reboteiro excepcional e com grande presença dentro do garrafão. Apesar disso, não é um grande "help defender" (defensor de ajuda, na tradução literal), por conta de sua lentidão. A pick n roll (clique e assista ao vídeo) deve ser a preocupação do espanhol. Lembrando que um bom aproveitamento nos chutes de quadra é essencial, a julgar pelo desempenho de Stoudemire pegando rebotes, que não é dos melhores.

Já a defesa de Stoudemire depende de sua vontade. Por mais simples que possa parecer, é exatamente isso. Com motivação, ele pode marcar Gasol, apesar de não evitar seus 20 pontos no jogo. A dobra deve ser utlizada em algumas situações.


Robin Lopez x Andrew Bynum

Sim, ele está de volta. Lopez não atuava desde o dia 26 de Março e irá reforçar a rotação do time do Arizona. Sua principal função dentro de quadra, desde que foi movido para o time titular, é fortalecer a defesa: bloquear os rebotes e impedir que os pivôs adversários pontuem de forma efetiva. Bynum tem bons recursos ofensivos e eficientes jogadas no "low post" (lateral do garrafão), e por isso deve dar trabalho.

Porém, existe um fator determinante para o vencedor do confronto: o números de faltas. Bynum sofreu nos Playoffs de 2009 se carregando de 2 faltas precocemente dentro do jogo. Lopez sofre do mesmo problema desde que está no quinteto inicial.

2. Banco

Primeiro é necessário citar a disparidade dos dois bancos. Enquanto os Lakers contam com apenas três jogadores que contém alguma efetividade, Odom, Brown e Farmar, os Suns contam com 6 jogadores com totais condições de darem alguma contribuição na série.

Dragic, Barbosa, Dudley, Amundson, Frye e Clark, além dos pouco influentes Collins e Jones, formam um dos melhores ou até o melhor banco de toda a liga. Com uma defesa sólida que é melhor até do que a própria defesa do time titular e habilidades ofensivas variadas como o poder de penetação do Barbosa, as bolas de três de Dudley e Frye, a visão de jogo de Goran Dragic e a explosão defensiva de Lou Amundson, formam um banco que é, sem dúvidas, uma das principais razões do sucesso dos Suns no ano de 2010.

A rotação de Phil Jackson difere consideravelmente da de Alvin Gentry. Devido ao número de jogadores disponíveis em cada banco, nos Lakers sempre há uma mistura de titulares com reservas, sempre contando com pelo menos dois titulares em quadra. Dificilmente teremos um time com Farmar-Brown-Walton-Odom-Bynum, enquanto os Suns começam todo segundo quarto com o time todo reserva, Dragic-Barbosa-Dudley-Lou-Frye. Isso, além de dar mais descanso aos jogadores do Suns, dando ao Nash a menor média de minutos nos últimos 10 anos, por exemplo, faz o time ser mais entrosado. O time do banco dos Suns sabem quem são seus companheiros e que independente do que aconteça estes estarão lá. Diferentemente dos Lakers, que devido a variações do jogo mudam constantemente a rotação, tendo em jogos que trazer o Gasol mais cedo ou fazer o Kobe descansar pouco, fazendo com que o entrosamento do time reserva seja bem inferior ao de seus oponentes. Phil Jackson sabe que um matchup direto entre os bancos seria aterrorizante para a equipe da Califórnia, por isso a tendência é a presença de Bynum ou Gasol e Fisher ou Artest completando o quinteto com Farmar(ou Walton), Brown e Odom.

Memso considerando essas informações, é visível a dificuldade que o Phil jackson tem em administrar essa rotação. Na série contra o Oklahoma City Thunder, que teve por característica jogos com a pontuação muito próxima e quase sempre decidida no final das partidas, o ''+/-'' (que é a diferença de pontos do time enquanto o jogador está em quadra) dos atletas do banco foram lastimáveis, exemplificando com Odom e Brown, os principais jogadores do banco, tendo médias de -5 e -10 respectivamente. E tudo isso contra um banco fraquissimo do Thunder que obrigou Westbrook e Kevin Durant a jogarem quase todos os minutos de todas as partidas.

Análises Individuais:

Lamar Odom

Números nos Playoffs:

Minutos por jogo: 27.1
Pontos por jogo: 8.3
Porcentagem de acerto em chutes: 44.1%
Rebotes por jogo: 8.4
Bloqueios por jogo: 1.4
Porcentagem de Lances Livres convertidos: 56.3%

Mesmo com números não muito expressivos, Odom é o principal jogador do banco dos Lakers. Sua capacidade atlética será um problema para Amundson e Frye, ambos mais fracos fisicamente que Odom, o que dará nos minutos em que estes estiverem em quadra vantagem aos Lakers dentro do garrafão e nos rebotes tanto defensivos quanto ofensivos.

Apesar disso, Odom não é dos mais confiáveis. Ele comemorou como poucos a chegada de Gasol ao time, devido ao fato que com a chegada do espanhol lhe foi retirada toda a pressão dos anos anteriores, e a verdade é que na maioria das vezes ele nunca correspondeu a altura do que todos esperavam dele, sendo essa uma das razões de ele sempre ter sido um cuadjuvante nos Lakers e nunca ter optado por sair para se tornar um jogador mais importante em outra franquia. Ao contrário do amor a camisa propagado pela imprensa em geral, Odom tem uma mente fraca, é suceptível a pressão e se esconde atrás de jogadores como Bryant e Gasol.
Contudo, nos possíveis matchups com Lou ou Frye, ele leva a vantagem.

Channing Frye

Números nos Playoffs:

Minutos por jogo: 28.2
Pontos por jogo: 8.7
Poncentagem de acerto em chutes: 39.7%
Rebotes por jogo: 5.6
Assistência por jogo: 1.1
Porcentagem de Lances Livres convertidos: 100%

Frye chegou com desconfiança à Arizona. Poucos acreditavam no potencial do ex-Blazer que não teve o contrato renovado e só tiveram uma boa temporada na carreira, a primeira com os Knicks. Channing superou todas as expectativas e supriu uma necessidade em que a muito tempo Nash pedia aos Suns, que é um homem de garrafão com bom chute de três pontos. Ao longo de toda a temporada o avanço de Frye foi notório, principalmente na defesa e em sua auto-confiança. Nos primeiros meses, em jogos em que a primeira ou segunda bola não caía, tera tendência que ele parasse de chutar o se escondesse da partida. Gentry teve um bom trabalho nesse quesito, fazendo com ele semelhantes palestras que fora feito anteriormente com Goran Dragic, o que ampliou sua confiança e fez dele peça chave para o sucesso dos Suns contra os Spurs, tirando Duncan do garrafão ou dando a Grant Hill a vantagem do Matchup.

Frye não terá vida fácil contra os Lakers. Odom tem muito mais mobilidade que Camby e Duncan, e com isso dificilmente ele terá chutes livre como nas duas primeiras séries desses playoffs.

Outra desvantagem que Frye possui, é sua deficiência no jogo dentro do garrafão de costas para a cesta. Lakers conta com um dos mais fortes pivôs da liga, com isso seu trabalho defensivo será esgotante em todas as partidas, fazendo com que ele se canse muito e seu ataque seja ainda mais prejudicado. Apesar de todas essas adversidades, nada impede que Frye esteja em um bom dia e converta bolas de três importantes, e é exatamente o que todos os torcedores dos Suns esperam dele, uma defesa que atrapalhe Odom e Gasol, e muitas, muitas bolas de três.

Jordan Farmar

Números nos Playoffs:

Minutos por jogo: 13
Pontos por jogo: 5.1
Porcentagem de acerto em chutes: 39.5%
Assitência por jogo: 0.9
Porcentagem de Lances Livres convertidos: 73%

Farmar é um jogador limitado, fraco, baixo, com falta de auto-confiança, um chute de perímetro apenas razóavel e, acima de tudo, um jogador muito, muito feio. Brincadeiras a parte, pouco se pode esperar dele. Quando está em quadra, mesmo jogando como PG, a bola fica mais na mão de Kobe ou Odom do que na dele quando estes estão em quadra. Um jogador que não deve preocupar Gentry e deverá ter muitos chutes disponíveis já que Gentry deve "pagar para ver" seus chutes, assim como fez com Jefferson, Camby e também fará com Artest.

No mais, todos esperemos que o Slovenian Sniper o engula e tenha, talvez, a maior vantagem de todos os matchups da série.

Goran Dragic

Números nos Playoffs:

Minutos por jogo: 14.3
Pontos por jogo: 7.7
Poncentagem de acerto em chutes: 43.5%
Rebotes por jogo: 1.6
Assistência por jogo: 2.0
Porcentagem de Lances Livres convertidos: 68.8%

Depois de uma primeira temporada ruim, Dragic mostrou tudo que já havia mostrado nas quadras da Europa em seu segundo ano da NBA. Um jogador rápido, com ótima visão de jogo com um chute de três alto e preciso de difícil marcação e muita, muita auto-confiança (Deus abençoe Alvin Gentry). Só não tem números melhores pelo pouco tempo que fica em quadra, mas tem tudo para ser um titular dos Suns nos próximos anos. Goran entrou para a história da NBA com a apresentação contra os Spurs no jogo 3, marcando 23 pontos no último quarto em uma das atuações mais impressionantes de um só jogador em no último quarto em uma série de playoffs que eu já vi em todos os anos que acompanho NBA.

Farmar não é bom defensivamente, ele é baixo e fraco. Goran tem que atacar a cesta e forçar a dobra em cima dele, abrindo espaço para Dudley, Frye e Barbosa no perímetro. Como Farmar não é muito bom ofensivamente, Dragic exercerá constantemente dobras em Kobe ou Odom e terá importância fundamente na defesa.

Como dito anteriormente, ele tem tudo para ter grande vantagem sobre Farmar e ajudar muito os Suns em toda série. Como diria Jared Dudley, "Goran Jordan".   

Shannon Brown

Números nos Playoffs:

Minutos por jogo: 16.3
Pontos por jogo: 6.0
Poncentagem de acerto em chutes: 38%
Porcentagem de Lances Livres convertidos: 67%

Brown tem um corpo muito atlético e pode fazer pontos de várias maneiras diferentes, seja no chute de longa distância ou no ataque a cesta. COmo é um jogador jovem, é muito inconsistente e pode alternar jogadas fantásticas e erros bobos. Comparativamente é muito parecido com George Hill dos Spurs, com quem os Suns teve bom desempenho nas semi finais de conferências.

Ele terá um confronto aberto com o brasileiro Leandro Barbosa. Ambos são defensores ruins, rápidos e que gostam de jogar com a bola na mão.  

Leandro Barbosa

Números nos Playoffs:

Minutos por jogo: 15.8
Pontos por jogo: 7.6
Poncentagem de acerto em chutes: 40.6%
Rebotes por jogo: 1.6
Assistência por jogo: 2.0
Porcentagem de Lances Livres convertidos: 68.8%

Fez uma temporada regular ruim, marcada por lesões, cirurgias e falta de ritmo. Surpreende um pouco fazendo um bom playoff, entrando com consistência ao lado de Dragic e sendo uma área de escape para o time reserva quando a defesa adversária está forte, e alguma jogada de infiltração é necessária. Longe de ser o "Brazilian Blur" de outros tempo, segue capaz de dar uma contribuição decente para a série, e tenta se apoiar no histórico de semprejogar bem contra os Lakers para ter seu melhor desempenho no ano.
Barbosa perde para Brown na força e altura, podendo ter muitas dificuldades na defesa e no contato físico. Contudo, é nosso jogador com mais habilidade e que já mostrou ter o maior potencial de todo banco de reservas, em anos anteriores. Uma grande interrogação é lançada sobre o brasileiro que pode tanto ter um desempenho pífio, quando um desempenho sensacional.

Hoje, os dois são muito próximos, e é um matchup que termina indiscutivelmente empatado.


Luke Walton

Minutos por jogo: 6.2
Pontos por jogo: 1.6
Rebotes por jogo: 1.8
Assistência por jogo: 0.9
Poncentagem de acerto em chutes: 40.6%


Diz o Phil Jackson que ele é um jogador inteligente.. Só se for em geografia.
É ruim, ruim mesmo. Vai ser engolido pelo Dudley.

Jared Dudley

Números nos Playoffs

Minutos por jogo: 23.4   
Pontos por jogo: 7.4
Rebotes por jogo: 3.5
Assistência por jogo: 1.9
Poncentagem de acerto em chutes: 44%

Nove em cada dez torcedores dos Suns amam o Dudley. E com razão. Desde que veio dos Bobcats com J-Rich na troca por Bell + Diaw, Dudley foi fantástico mostrando comprometimento, muita defesa, um chute sensacional dos três pontos e os vídeos mais engraçados do Twitter.

Dudley é versátil, ele é capaz de marcar com eficiência PG's, SG's, SF's e até PF's, snedo ele o responsável por marcar Dirk quando Hill não estava em quadra, por exemplo. Se destacou principalmente no jogo dois da série contra os Spurs, sendo omaior responsável pela recuperação da equipe do Arizona no placar ao fim do primeiro tempo, roubando bolas e fazendo cestas importantes.

Muito mais que um jogador esforçado, como diria os "especialistas" da ESPN Brasil. Dudley se tornou um dos melhores chutadores de três pontos da liga em aproveitando durante toda a temporada, e o melhor jogador do melhor banco da NBA.

Lou Amundson

Números nos Playoffs

Minutos por jogo: 12.3   
Pontos por jogo: 2.6
Rebotes por jogo: 3.2
Poncentagem de acerto em chutes: 47.8%

D#! D#! Vai ter muito trabalho. Muito. Vai encontrar provavelmente com Gasol e terá um trabalho muito difícil. É menor que o Gasol, mais baixo e vai enfrentar um dos melhores PF's da liga.

A desvantagem que teremos é enorme, seja Lou vs Gasol ou Odom. Teremos muita energia e garra do nosso importantíssimo jogador de defesa que ganha 700 mil por ano e terá o maior desafio de sua vida, e com toda a certeza é um jogo para ele garantir um contrato melhor para a próxima temporada, dando dez minutos de muita defesa.   

OPINIÃO DOS EDITORES

Evandro Cruz - Editor-chefe do SunsBR

"Ironia do destino, numa serie com  Nash /Amare e Kobe Bryant /Gasol a decisão provavelmente será feita pelos coadjuvantes, de um lado, Phill Jackson vai deve apostar suas fichas em Artest e no machucado Bynum, do outro, Gentry vê Jason Richardson e Grant Hill como as principais apostas para levar o Suns a primeira final da franquia no século XXI .

A vitória do Suns dependerá também da postura de seus jogadores reservas em Los Angeles, nos dois primeiros jogos, caso Dragic, Lopez, Leandrinho, Dudley e Frye consigam jogar em alto nivel na California, o time do Arizona tem grandes possibilidades de voltar para Phoenix com pelo menos uma vitória.

Meu palpite para série é vitória do Suns em 6 jogos, um abraço do "pseudo-Boss" a toda a familia de leitores que nos acompanhou até agora, e vamos torcer juntos para pegar o Celtics na final (mais um palpite.)"


Lucas Magalhães - Recém-contradado

"Lakers é um ótimo time, ninguém tem dúvidas disso. Mas há uma ligeira superestimação por parte de todos. A série contra o Thunder foi difícil, e só não foi par ao jogo sete por causa de uma cesta do Gasol em rebote faltando menos de um segundo para o fim do jogo. Os Lakers quase perderam o primeiro jogo, e depois ganharam todos os jogos, tirando o quarto, na bacia das almas contra um super desfalcado Jazz e um machucado Deron Williams.

Obviamente eles venceram, e tem todos os méritos de estarem nas finais de conferência. Tem um grande técnico e o melhor jogador da liga.

Porém, nós temos 14 jogadores malucos por um título. Seja por ser a última chance real de título, seja para conseguir um contrato máximo na próxima temporada, seja por ser só o segundo playoff da careira. Seja por ser a primeira vez que passa do primeiro round, ou seja por ser a afirmação de um trabalho. Seja por ter tido uma vida difícil nas favelas do Brasil, seja por ter tido uma contusão série e ter mudado de esporte aos 12 anos, seja por serem 14 jogadores que foram colocados como décimo primeiro no oeste no início da temporada e estão jogando na final da conferência mais disputada da NBA contra o melhor time da NBA, querendo provar que são capazes. Nós merecemos esse título, por tudo que passamos. Nash e Stoudemire merecem mais ainda, Hill então, não se fala.

Eu acredito. Suns em 6."


Pedro Henrique - Editor do SunsBR

"O diferencial será o jogo 1. Se o Suns quer vencer a série precisa quebrar o mando de quadra no primeiro jogo, com a série fria e o Lakers sem saber o que terá pela frente. Obviamente, também tem a obrigação de vencer os jogos dentro do US Airways Center.

A marcação de Hill em cima de Bryant deve funcionar enquanto o Bom Velhinho tiver gás. Já no ataque, a inteligentíssima movimentação do pick n roll / pick n pop deve garantir um rendimento razoável/bom.

Apesar do ótimo momento do time do Arizona, o Lakers é um time muito consistente, e de fato é o favorito. Por mais otimista que eu seja em relação ao Suns, não podemos fugir da realidade. Aposto no Lakers em sete jogos."

.............................................................................................................................

4 Spurs Haters já comentaram este post:

Evandro disse...

Extraordinário.

É a palavra que define o esforço destes dois editores na criação da previa da série, tem informação sufinciente para uma pessoa que nunca viu NBA se interessar em ver esta série, fantástico.

Bem vindo Lucas, que já mostrou na tirada sensacional sobre Luke Walton que tem o que falta na maioria dos escritores de blog, o chamado "feeling".

Pedro "Peter The Great" parábens e vamos dividir os calmantes nesta série.

Que venha o Lakers, que venha o Boston, o Sunsational começou.

Lucas Magalhães disse...

Valeu pelos elogios Evandro!

Go Suns!

bruno H disse...

É hj!!! Ta todo mundo falando q o lakers leva, ja li artigos na internet de especialistas analisando qual seria o adversario melhor para o lakers na final, celtics ou orlando, totalmente errado até q nao estao, o lakers realmente tem um favoritismo, mas dizer q a vitoria já é certa é um grande erro e pertuba muito qm torce pro suns. Como será bom se o suns "surpreender" novamente e der uma surra neles igual fizemos contra o spurs, alias nessa serie, tbm, so falavam do maldito time de san antonio, mas varremos os caras.

O negocio é tentar ganhar uma deles lá e voltar pra phoenix com uma vitoria em casa e com o time de l.a. precionado. E ao contrario do q dizem os entendidos, nos temos total capacidade de ganhar deles lá, ate pq, agora temos um time muito mais defensivo, com jogaores mais conscientes e consistentes, e, principalmente, se o lopez voltar teremos um garrafao bom o suficiente pra dar trabalho pros caras. Alem, é claro, do J-Rich e do frye pra chutar de 3, e um banco muito, mas muito superior ao do lakers.

O unico ponto q pesa realmente pro lado do time californiano é o Kobe Bryant, esse cara é um dos jogadores q mais crescem na hr de decidir na historia da liga, se nessa hr é q se separam os meninos dos homens, como dizia o Michael Jordan, entao o kobe com ctz esta no segundo grupo, liderando-o. o alvin tem q dar um jeito de parar esse cara, vamo força a contusao dele vamo dobra a marcacao, mas deixar o Kobe jogar é fatal pra qualquer time.

Enfim, vamo torce e ganhar desses caras, ir pra final esse ano é importantissimo, afinal, nash ano q vem, provavelmente, nao jogara tao bem qnto esse ano e esse ano é o ultimo pra mostrar q aquele projeto idealizado e iniciado em 2004 finalizará com um anel.

bruno H disse...

escrevi pressionado com c no comentario rs, foi mal por esse erro imperdoavel. To com muita vergonha xD

Postar um comentário

Deixe sua opinião!